bofete

O nome "Bofete" foi dado à cidade por causa de um morro que se encontra no município. Segundo se conta, havia no morro uma pequena câmara escavada na rocha, onde os tropeiros que viajavam de Minas Gerais ao Paraná costumavam guardar alimentos não perecíveis e água fresca para seus colegas que utilizavam a mesma rota. Este acordo, que por sinal persiste ainda hoje na Floresta Amazônica entre seringueiros e garimpeiros, perdurou, na região, até o início do século XX e determinou, assim, que o nome do dito relevo fosse "Morro do Buffet", que, em francês, quer dizer, literalmente, "aparador de comida". A denominação, obviamente, foi abrasileirada para Bofete e acabou se impondo ao pequeno vilarejo, que até ali se chamava "Samambaia", "Freguesia do Rio Bonito" e "Bofete" que pertenceu, sucessivamente, a Botucatu e Tatuí, até se emancipar como vila.

Tem em suas terras a interessante formação geomorfológica "O Gigante Adormecido" e as "Três Pedras" onde conta a lenda que os jesuítas da Fazenda Botucatu se protegiam dos ataques indígenas e onde teriam escondido seus tesouros, roubados pelos bandeirantes.

Bofete conquistou duas referências relevantes no cenário turístico de São Paulo e do Brasil. Ganhou a chancela de MIT (Município de Interesse Turístico), outorgada pelo Governo Paulista sob o manto da Lei Estadual nº 16.720 de 15/05/2018, pelas belezas naturais, dados históricos e por conta da qualidade de elaboração de projetos e consequentes. Bofete também foi selecionada, entre os mais de 500 municípios do Estado de São Paulo, como uma das 39 municipalidades a receber o prêmio Top Destinos Turísticos. Uma ação conjunta da ADVB - Associação de Vendas e Marketing do Brasil com a SKAL Internacional de São Paulo. A categoria em que Bofete ganhou foi Turismo de Aventura. Além disso, também ganhou o Prêmio Destaque da ADVB/SKAL Internacional ficando em quarto lugar entre mais de mil municípios que receberam votos populares.